quinta-feira, 28 de julho de 2016

A Canção de Humor do Ano

Coração Embriagado
Wanessa Camargo

Depois de se aventurar em "carreira" internacional em que o maior sucesso é o "clássico" de Shine it On, conseguindo uma especie de cult following na comunidade gay, Wanessa, agora novamente com o Camargo, decidiu mudar de gênero e estilo ao entrar de cabeça no atual sertanejo. A primeira canção lançada é Coração Embriagado que é tão ruim, mais tão ruim, mais tão, tão ruim que resulta em uma canção involuntária de humor.

Ao invés de ir para um sertanejo que é a praia do pai dela ou dar a sua versão do gênero, Wanessa Camargo resolveu repetir cada características dessa tal de novo sertanejo que é, na verdade, uma mistura desgraçada dele com forró. Sem respeitar nenhum dos gêneros de verdade, esse novo subgênero é o ápice do fundo do poço da música brasileira, apesar de achar que ainda pode ser pior do que é. Em Coração Embriagado, a produção acerta no tom, mas, por incrível que pareça, o tom adotado mais parece uma paródia do que uma canção de verdade, tendo a capacidade de ser pior que as canções "originais". O que faz rir em Coração Embriagado é, na verdade, a sua precária, pobre e de uma vergonha alheia gigantesca composição que tem a capacidade de entregar perolas como "Quando eu te vejo online: #Judiando" ou no refrão todas as últimas palavras rimarem com o final "ado". É tão ruim que chega a ser, de alguma forma, divertido. Até mesmo Wanessa adquiriu os mesmos maneirismos dos cantores do gênero o que deixa a sua performance o que deixa Coração Embriagado ainda mais com cara de paródia. Como diversão despretensiosa e vergonhosamente deliciosa a nova canção da Wanessa é ótima, mas como música de verdade é uma verdadeira catástrofe sísmica.
nota: 2

terça-feira, 26 de julho de 2016

A Inesperada

Go Off
M.I.A.

Enquanto os olhos estavam virados para a briga comercial entre Katy Perry e Britney Spears, outra artista lançou um single que conseguiu vencer as duas estrelas do pop no quesito qualidade: M.I.A lançou a ótima Go Off, primeiro single do seu novo álbum intitulado A.I.M.

A canção tem como um dos produtores do DJ Skrillex que adiciona a sua batida eletrônica na sonoridade indie pop/eletrônica da M.I.A, criando uma canção que consegue manter o espirito da artista intacto e, também, mostra novas nuances da mesma. Apesar de não ser uma "pancada" sonora como outros trabalhos de M.I.A., Go Off é a música mais "comercial" da carreira dela desde da genial Paper Planes e ainda oferece uma deliciosa batida dançante sem precisar ser "farofa". Com uma composição divertida sobre ser o melhor que até brinca com o jogar Neymar, Go Off é carregada perfeitamente pela M.I.A. e a sua distinta maneira de usar a sua voz em uma performance sólida. Uma pena que a canção não venceu na disputa comercial, pois é a que realmente merece.
nota: 8

segunda-feira, 25 de julho de 2016

New Faces Apresenta: Grace

You Don't Own Me (feat. G-Eazy)
Grace

O ano de 2016 poderá ser conhecido no futuro como o ano das trilhas sonoras. Devido ao lançamento de vários filmes com uma pegada bastante pop, as canções inclusas nas suas trilhas sonoras estão ganhando bastante destaque nas paradas mundiais. Uma das delas é a canção You Don't Own Me da novata Grace que foi adicionada na trilha do filme Esquadrão Suicida. Entretanto, esse não é o único diferencial da canção que conta com uma coleção de "fato" surpreendes.

Primeiramente, a canção foi lançada como primeiro single da carreira dessa australiana de apenas 19 anos de idade no ano passado, sendo uma versão da canção lançada em 1963 pela cantora Lesley Gore no auge do começo do movimento feminista. Entretanto, a maior surpresa é saber que a canção tem a produção do lendário Quincy Jones, simplesmente o nome por trás de boa parte da carreira de Michael Jackson em seu auge. Produzindo a parte dos vocais de Grace, Quincy coloca sobre a canção o peso de todos os anos de carreira do produtor em uma versão interessante e moderna desse clássico. 

Sem perder a essência da canção original, a nova versão coloca um verniz pop contemporâneo e hip hop que combina com a atmosfera dark adicionada pela produção.  Com uma performance extremamente carismática e cheia de personalidade pela Grace, You Don't Own Me renova o sentido da sua letra em tempos de reafirmação do empoderamento feminino. O que não combinou com a canção foi a presença do rapper canadense G-Eazy que, apesar de um bom desempenho, poderia ter sido substituído por uma artista feminina. Apesar disso, You Don't Own Me termina com um resultado e abre os caminhos para uma promessa interessante.
nota: 7,5

sexta-feira, 22 de julho de 2016

Roubando o Show

Dance Off (feat. Idris Elba & Anderson .Paak)
Macklemore & Ryan Lewis

Normalmente, eu posso ser muito critico em relação as participações especiais em músicas, mas, ás vezes, uma dessas participações conseguem ser melhores que os "donos da canção". Esse é o caso da canção Dance Off de Macklemore & Ryan Lewis.

Lançada como segundo single do álbum This Unruly Mess I've Made, a canção tem como featuring o cantor Anderson .Paak e o ator inglês Idris Elba. Para a surpresa geral, Idris, que também tem uma carreira como músico e DJ, é quem rouba a canção com a sua voz cavernosa e extremamente carismática. A sua participação lembra muito Vincent Price em Thriller do Michael Jackson. Tirando isso, Dance Off é uma decente e divertida canção hip hop sobre dançar com uma composição irreverente e uma performance de Macklemore afiada. Uma pena que a canção flopou, pois merecia ser um dos sucessos do verão americano.
nota: 7,5

terça-feira, 19 de julho de 2016

A Hora da Verdade para Shawn Mendes

Treat You Better
Shawn Mendes

Depois dos bons resultados alcançados com o seu debut no ano passado, Shawn Mendes precisa provar agora que é um artista que veio para ficar. Isso tudo dependerá do lançamento já do seu segundo álbum intitulado Illuminate. Como primeiro single foi divulgado a canção Treat You Better.

O single mostra que o jovem de 17 anos não irá alterar a sua sonoridade pop/pop teen/singer songwriter que mostrou fazer tão bem no trabalho anterior. Apesar de apostar no seguro, Shawn mostra que começa a caminhar em sua carreira artística: Treat You Better tem uma leve influência de rock, deixando a sua batida mais encorpada. Com uma performance sólida de uma voz que ainda irá mudar com o tempo, Treat You Better conta com uma composição fofa e, mesmo não sendo ótima, consegue ser compatível com a idade do cantor sem soa como infantiloide. A primeira amostra do futuro para Shawn Mendes é bem promissora. Vamos aguardar os próximos passos.
nota: 7

segunda-feira, 18 de julho de 2016

Uma Redenção

Don't Let Me Down (feat. Daya)
The Chainsmokers

Existe um verso na música Travelin' Thru da Dolly Parton que diz o seguinte: "Redenção vem em muitas formas com muitos tipos de dor". E eu devo dizer que acredito piamente, pois já vi acontecer isso em vários níveis. Um deles veio recentemente com a canção Don't Let Me Down da dupla de DJs The Chainsmokers. Qual o motivo para isso, vocês podem se perguntarem. Fácil: a dupla foi responsável pela canção #SELFIE que considero uma das piores dos últimos tempos e, agora, eles são donos de uma boa música. Uma verdadeira redenção. 

Don't Let Me Down, porém, não é reinvenção da roda, mas isso não impede que seja uma faixa decente de EDM/eletrônico que tem como ponto alto a presença da cantora Daya como ponto alto. A jovem cantora dá para a faixa uma performance com alguma personalidade própria, ao contrário de outros cantores que quando "enfrentam" esse tipo de canção acabam se perdendo dentro da canção. O bom arranjo na parte dos versos ajuda a minimizar a farofada clichê do refrão. Assim mesmo, Don't Let Me Down perto da outra canção deles é praticamente um álbum inteiro dos Beatles.
nota: 7