quarta-feira, 28 de setembro de 2016

Onde Está o The Black Eyed Peas?

#Wheresthelove (feat. The World)
The Black Eyed Peas

Um dos mistérios da música pop nos últimos anos é onde está o The Black Eyed Peas? Sejamos sinceros desde o quarteto deu uma pausa lá em 2013, nenhum dos integrantes fez algo realmente relevante nas suas carreiras solos. Então, por que eles não voltam a se reunirem para lançar um novo álbum? Vai saber, mas, para a surpresa de muitos, o grupo lançou uma versão do seu primeiro sucesso deles: Where Is the Love? virou #Wheresthelove com a participação de uma "porrada" de artistas.

#Wheresthelove é tentativa de reavivar We are The World, mas que não tem a mesma força criativa. Com os ganhos da venda destinado para a instituição de caridade, a canção peca por colocar um monte de artistas talentosos e os deixar de lado, principalmente as cantoras e, também, a Fergie. Não sei se a cantora não pode contribuir mais com a regravação, mas a sua participação ao final como uma backvocal de luxo é muito estranha. Além disso, a escolha de deixar will.i.am cantar os primeiros versos no alto de todo o seu poder de usar auto-tune é a pior possível. Se Fergie não podia, que tal usar as várias cantoras inclusas como backvocal: Jessie J, Mary J. Blide e Nicole Scherzinger, apenas para citar algumas. De qualquer maneira, a adição de novos versos que atualizam o sentido da canção são interessantes e o toque mais dramático com uma instrumentalização que vai crescendo ao longo da faixa ajudam a fazer da nova versão um bom trabalho. Porém, a pergunta ainda fica: onde está o The Black Eyed Peas?
nota
Versão Original: 8
Nova Versão: 7

terça-feira, 27 de setembro de 2016

Na Espera de Emeli

Hurts
Emeli Sandé

Depois de quatro anos do lançamento do seu avassalador primeiro álbum (Our Version of Events), a britânica Emeli Sandé irá lançar finalmente o seu segundo álbum. Intitulado Long Live the Angels, o álbum tem a responsabilidade que ficar a altura do álbum anterior que só na Inglaterra teve uma vendagem de mais de 2,5 milhões de cópias e recebeu criticas bem positivas da imprensa especializada. Observando apenas pelo primeiro single, a interessante Hurts, Emeli tem todas as chances de repetir o mesmo sucesso.

A canção segue os mesmos passos dos primeiros singles do álbum debut da cantora (Next To MeHeaven): um pop/R&B mid-tempo com cadência e uma batida bem diferente da ouvida no mercado americano. Não é uma escolha fácil para primeiro single, mas Emeli tem a capacidade de fazer funcionar quando todos os aspectos estão juntos. O primeiro é o fato de Hurts conter uma carga emocional pesada, ajudando a criar uma atmosfera completamente absorvente com a sua batida forte e muito bem construída, mesmo que durante a canção ainda tenha faltando aplicar mais nuances para elevar ainda mais o seu suntuoso clímax. Dona das composições mais "heartbreaking" e belas dos últimos anos, Emeli volta a repetir o feito de dar um soco no estômago ao falar sobre o sentimento de ser esquecido por aquela pessoa que um dia foi o seu mundo, mas que parece completamente alheio a dor causada por suas atitudes. Isso tudo acompanhado pela performance poderosa de Emeli. Hurts é um começo extremamente promissor e deixa uma sensação de ser apenas uma pequena dose.
nota: 7,5

domingo, 25 de setembro de 2016

Antes Tarde do Que Nunca - Grandes Álbuns

Purple Rain
Prince And The Revolution

Desapercebido

Joint (No Sleep)
Cassie

Com um mercado tão grande como o de Hollywood nem todos os filmes lançados anualmente chegam aos cinemas. Muitos deles são já lançados diretamente para o DVD e/ou serviços de streaming. Um desses casos é o filme Honey 3: Dare to Dance, segunda continuação do filme Honey - No Ritmo dos Seus Sonhos estrelado pela Jessica Alba em 2003. Dessa vez quem estrela o filme é a cantora/atriz/modelo Cassie que também canta uma das canções inclusas na trilha sonora, a legal Joint (No Sleep).

A música mostra que Cassie é uma daquelas artistas que mereciam mais reconhecimento do público, pois Joint (No Sleep) é uma canção bem interessante, mesmo que não seja sensacional. A batida é uma gostosa mistura de pop e R&B construído em uma batida contida e quase minimalista. Rápida e rasteira, Joint (No Sleep) poderia ser bem melhor se a sua composição não fosse tão genérica, mas o carisma da Cassie ajuda a amarrar as pontas. Joint (No Sleep) não é um "musicão", mas não deveria passar tão desapercebido como o filme que é tema.
nota: 6,5

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Uma Versão de Respeito

Stayin' Alive
Say Lou Lou

Um dos temas mais lembrados de todos os tempos é a canção Stayin' Alive do Bee Gees. Lançada em 1977 como tema do clássico Os Embalos de Sábado à Noite, a canção virou um imenso sucesso comercial e de critica, sendo considerada um dos grandes marcos da música pop. Até hoje, a canção está mora no imaginário da cultura pop assim como o filme estrelado por John Travolta. "Mexer" em um clássico atemporal como Stayin' Alive é uma tarefa quase impossível, pois qualquer decisão errada pode ser responsável em "matar" um clássico. Felizmente, o duo de irmãs australianas/suecas Say Lou Lou conseguiram fazer um trabalho muito bom com essa versão de Stayin' Alive.

Acredito que a principal razão pelo sucesso do resultado da regravação é o fato que o duo ter conseguido manter a mesma alma que ajudou Stayin' Alive fazer sucesso no final dos anos setenta: a carismática pegada dançante. Da disco original, a versão ganhou uma elegante sonoridade indie/pop dance que ao mesmo tempo atualiza a canção, mas sem alterar demais a canção o que poderia ocasionar a perda da sua identidade. Os vocais das irmãs gêmeas são certeiros para essa versão da música, mesmo que faltam algumas nuances que poderia ajudar a canção. Nada que atrapalhe essa versão honrar um verdadeiro clássico do cinema.  
nota: 8

quinta-feira, 22 de setembro de 2016

Um Estranho Tema

Back to Life
Alicia Keys

Tema principal do filme Queen of Katwe, Back to Life da Alicia Keys tinha tudo para ser uma canção extraordinária. Infelizmente, algumas decisões tomadas pela produção atrapalham o resultado final.

Back to Life começa até bem com uma atmosfera densa e dramática que vai aos sendo substituída por um tom mais esperançoso e otimista com uma instrumentalização interessante. Entretanto, o que parece que vai se transformar em um R&B/neo soul épico vira do nada um fraquíssimo eletropop/R&B com uma batida genérica e que corta qualquer clímax  que Back to Life poderia ter. Até mesmo os vocais da sempre ótima Alicia se perdem nessa parte, ajudando a canção a perder o brilho do seu começo. Ao menos, a letra é boa e combina com o filme que fala sobre a história real de uma jovem de Uganda que se tornou campeã mundial de xadrez. Uma pena que Back to Life termina assim, pois a canção poderia ter sido uma dos grandes temas do ano.
nota: 6

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Uma Combinação Perfeita

Wish That You Were Here
Florence + The Machine

Para quem conhece o mínimo do trabalho do cineasta Tim Burton sabe que não existe melhor artista que o Florence + The Machine para cantar o tema do seu mais novo filme, a adaptação do livro Miss Peregrine's Home for Peculiar Children. E a canção Wish That You Were Here não poderia ser melhor.

A balada indie pop com leves toques tem todas as qualidades de uma boa música da banda e tem o casamento perfeito com a atmosfera do filme que Burton deve levar para as telas: a história de um grupo de crianças com habilidades especiais que vivem em um orfanato longe dos perigos das "pessoas normais". A bela composição fala sobre saudade de alguém se ama e o desejo de estar perto dessa pessoa, mesmo não podendo. Segundo a própria Florence, a letra foi composta com a ajuda do próprio diretor o que ajuda a passar um sentimento real sobre a atmosfera do filme. Com uma melancólica performance vocal, Florence entrega a interpretação perfeita para mostrar os sentimentos colocados em Wish That You Were Here. Talvez o único problema seja a duração de quase sete minutos, mas isso não impacta de maneira alguma o resultado final da canção. Wish That You Were Here é a combinação perfeita, quase feita no céu das trilhas sonoras.
nota: 8